flavia-faria-dlc-emac.jpg
A rotura muscular caracteriza-se principalmente pela descontinuidade das fibras musculares e podem ter várias classificações, as mais comuns são: 
  • Traumáticas ou Atraumáticas, 
  • Diretas ou Indiretas, 
  • Parciais ou Totais 
  • Os tipos podem ser: contusão, dor muscular tardia ou estiramento.
 
Os fatores de risco mais comuns encontrados são:
  • Deficiências de flexibilidade
  • Desequilíbrios de força
  • Lesões musculares pregressas
  • Distúrbios nutricionais, hormonais
  • Alterações anatômicas e biomecânica
  • Fatores relacionados ao treinamento:
    • Aquecimento inadequado
    • Incoordenação motora
    • Técnica esportiva incorreta
    • Fadiga muscular 
 
O diagnóstico de uma rotura muscular pode ser feito principalmente através da anamnese, exames clínicos e exames de imagem (ecografias e ressonâncias).
 
O tratamento fisioterapêutico tem como objetivos principais:
  • Controlo da dor e do processo inflamatório
  • Redução de espasmos
  • Recuperar a flexibilidade pregressa e a função contrátil 
  • Minimizar riscos de relerão
  • Preparar para o retorno ao desporto e/ou as atividade de vida diária
 
A duração é, em média, de até 6 semanas e subdivide-se em três fases:
  • Fase de destruição:
Caracterizada pela rotura e necrose das fibras musculares e pela formação de hematoma entre as miofibras lesionadas, com presença de reação celular inflamatória. Nesta fase a conduta fisioterapêutica se dá através de medidas analgésicas e antiinflamatórias, tais como Correntes eletroterapêuticas, Ultra-Som terapêutico no modo pulsado e PRICE (Proteção, Repouso, Gelo, Compressão e Elevação);
  • Fase de reparação:
Apresenta fagocitose do tecido necrosado, regeneração das fibras musculares, produção de tecido cicatricial, processo de revascularização pelo crescimento de capilares em áreas lesionadas. Nesta fase a conduta fisioterapêutica se dá através de manutenção de medidas analgésicas e anti-inflamatórias, estímulos de força gradativos, estímulos proprioceptivos e de estabilização gradativos, Exercícios educativos sem impacto;
  • Fase de remodelação:
Acontece a maturação das miofibras regeneradas, retração e a reorganização do tecido cicatricial, e recuperação da capacidade funcional do músculo. Nesta fase a conduta fisioterapêutica se dá através de aumento da intensidade dos exercícios de força isotônica e excêntrica, exercícios posturais e de propriocepção voltada para as ações de vida diária, retorno gradativo ao treinamento.

 

Flávia Faria