dores-de-pescoco-dlc.jpg

A Cervicalgia é uma dor no pescoço que é muito comum no nosso dia-a-dia. Com a nossa rotina stressante, há um aumento da tensão muscular no corpo todo, mas pode-se concentrar no pescoço, principalmente porque passamos horas no computador, ou a olhar o telemóvel com a cabeça baixa, etc. O mais comum é uma associação de fatores que levam a uma alteração mecânica da coluna cervical. Por isso a dor pode irradiar para a cabeça, ombros e braços, pois músculos, ligamentos e nervos estão todos conectados e também podem sofrer as consequências. Uma boa anamnese é importante para se descobrir a causa inicial e poder escolher o(s) melhor(es) tratamento(s).

 

  1. Prefira dormir de barriga para cima a dormir de bruços, usando um travesseiro com altura suficiente para apoiar a curvatura natural da cervical, ou de lado colocando outro travesseiro entre as pernas para não forçar a coluna.
  2. Não leia na cama apoiado por travesseiros, procure sentar-se com as costas apoiadas e o livro no colo sobre uma almofada.
  3. No computador sente-se sem curvar o pescoço, mantendo o topo da tela rente à altura dos olhos. Faça movimentos de rotação com a cabeça para aliviar a tensão.
  4. Procure não prender o telefone entre a cabeça e o ombro, opte por um auricular ou falar em alta-voz.
  5. Regule o encosto do banco do carro de maneira que a curvatura acolchoada se encaixe na curvatura de sua cervical. Isso evita o efeito “chicote” nos acidentes de trânsito.
  6. O excesso de peso na mochila tenciona a musculatura do pescoço. Ao andar deixe a musculatura ereta e não deixe a mochila causar desequilíbrio. Evite bolsas muito pesadas mesmo em um lado só do corpo.
  7. Alongamentos e exercícios específicos mantêm a mobilidade articular e protegem a cervical de lesões.
  8. Pilates, Yoga, Isostretching, RPG são exemplos de atividades físicas que beneficiam a coluna.
  9. Uma visita ao osteopata, quiropracta ou outro terapeuta manual ajudam a manter a saúde da coluna cervical.
  10. Ter hobbies que aliviem o stress e a tensão do cotidiano diminui a incidência de dores músculo-esqueléticas do pescoço.

 

Paulo Fonseca